DESEQUILÍBRIO NAS ELEIÇÕES PROPORCIONAIS

 

Maurício Costa Romão

Nos debates sobre as federações partidárias, recentemente instituídas por lei, tem passado despercebida uma grave distorção que o mecanismo acarreta nas eleições proporcionais no Brasil: a indevida vantagem competitiva aos conjuntos federados.

De fato, como boa parte das siglas concorrentes não conseguirá formar alianças, por motivos diversos, incluindo exiguidade de tempo (o registro tem que ser feito até 6 meses antes das eleições), ausência de afinidades programáticas, exigências de verticalidade e de permanência na aliança por no mínimo quatro anos, gera-se, naturalmente, um desequilíbrio de forças eleitorais em favorecimento às siglas federadas.

 

Ler mais

CANDIDATOS DE MANDATO E O DISTRITÃO

 

 Maurício Costa Romão

É cediço entre analistas políticos que a reforma eleitoral de 2017, que deu fim as coligações proporcionais e instituiu cláusulas de desempenho partidário, possui o condão de contribuir fortemente para o aprimoramento do sistema político-partidário brasileiro, já tendo, inclusive, mostrado promissoras perspectivas na eleição municipal recém-finda.

 Embora no plano dos princípios, dos fundamentos e dos propósitos, a grande parte da classe política defenda essas conquistas históricas da reforma, graça entre os parlamentares, todavia, o sentimento de sobrevivência política sustentado na evidência empírica de que com esse regramento das coligações muitos deputados não conseguirão ser reeleitos em 2022.

Ler mais

“REVISTA ALGO MAIS” ENTREVISTA MAURÍCIO COSTA ROMÃO

 

ALGO MAIS: A eleição deste ano será bem diferente das anteriores, devido à pandemia. O que muda essencialmente?

MR: A característica principal desta eleição é que as campanhas dos candidatos vão acontecer com pouca presença física junto ao eleitorado. A campanha, digamos, analógica, passa a ser virtual e isso traz várias conseqüências:

A rua física se torna rua virtual, o comitê físico agora é remoto, os contatos pessoais de rua, próprios da tradicional campanha, passam a ser contatos de redes, e o bom cabo eleitoral agora é o que tem influência digital; os gastos de campanha com materiais físicos são destinados hoje aos meios digitais; a propaganda com panfletos, santinhos, etc., agora será divulgada com mensagens de vídeo e por aí vai. É uma mudança muito profunda em termos de eleição.

Ler mais

O PSDB EM PERNAMBUCO

Maurício Costa Romão

 As eleições de 2018 no Brasil para presidente, deputado federal e deputado estadual acenderam a luz amarela nas hostes do PSDB, provocando discussões internas entre os fundadores da sigla e alas liberais e conservadoras quanto à necessidade de renovação ou mesmo refundação do partido.

Com efeito, a agremiação teve um resultado eleitoral bisonho na corrida à presidência* e viu sua bancada de 54 representantes na Câmara dos Deputados eleitos em 2014 diminuir para apenas 29 em 2018.

Nas Assembléias Legislativas o desempenho da sigla também deixou a desejar: os 9.394 mil votos obtidos em 2014, quando elegeu 94 deputados estaduais, transformaram-se em 6.871 mil em 2018, resultando na eleição de 73 parlamentares (27% a menos de votos e 24% a menos de representantes).

Ler mais

TODOS POR UM E UM POR NINGUÉM

Maurício Costa Romão

A eleição para governador de Pernambuco neste ano de 2018 tem um aspecto singular: os três candidatos mais competitivos declararam que apóiam Lula e votam nele, inobstante sua condição atual de inelegível.

Sem desconsiderar razões outras, é inegável que impera grande dose de pragmatismo eleitoral nessa tríplice adesão: a extraordinária popularidade do ex-presidente junto aos pernambucanos.  

Ler mais