LÍDERES DO SENADO NÃO ACREDITAM EM MUDANÇAS

 

Matéria do Jornal do Commercio, 13/04/2011

 BRASÍLIA – A maioria das propostas de reforma política que será entregue hoje ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), não deverá sair do papel. Líderes de partidos aliados e de oposição apostam que Senado e a Câmara deverão restringir a reforma política à chamada perfumaria, como a mudança da data da posse do presidente da República, governadores e prefeitos, sem mexer profundamente no sistema eleitoral brasileiro. A exceção deverá ficar por conta da aprovação do fim das coligações nas eleições proporcionais.

Essas propostas da comissão serão um ponto de partida, um pano de fundo para discutir a reforma política, resume o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). A convergência partidária será construída na Comissão de Constituição e Justiça, completa o líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL) “Sem desmerecer o trabalho da comissão, todas as questões serão alvo de debate. Há muita discordância”, diz o líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR).

Ler mais