Corrução

FAZ DIFERENÇA

17/10/2011

Editorial da Folha de S.Paulo, 16/10/2011

Sem novas mobilizações populares, dificilmente medidas para coibir a corrupção encontrarão meios de implementar-se na prática

Estima-se que 20 mil pessoas tenham se reunido em Brasília, na quarta-feira, num ato contra a corrupção. Manifestações de menor monta se verificaram em outras cidades brasileiras. O número pode não refletir o grau de rejeição que o atual estado dos costumes políticos desperta na imensa maioria dos cidadãos. Ainda assim, fica assinalada a persistência do movimento.

Leia mais…

POLÍTICA 2.0

10/09/2011

 

Marina Silva

Folha de S.Paulo, 09/09/2011

Nem o clima de deserto que castigou Brasília no Sete de Setembro intimidou os cerca de 25 mil manifestantes da Marcha contra a Corrupção, em pleno centro do poder. A despeito do calor, a maioria foi de preto, para expressar seu luto diante da corrupção e da impunidade. Gente muito jovem, em grande parte, foi dizer aos Poderes da República que não aceita a complacência e o corporativismo com que corruptos costumam ser tratados.

Leia mais…

INTOLERÁVEL

20/08/2011

 

Marina Silva
Folha de S.Paulo, 19/08/2011

Corrupção mata. Entender isso é fundamental para atacar um dos males que mais empatam o desenvolvimento socioeconômico e político do Brasil. Ainda há quem não veja a conexão entre corrupção e violência, mas elas estão intimamente ligadas. Da mesma forma, devemos entender que a baixa eficiência e o mau funcionamento dos serviços do Estado estão tremendamente relacionados à cultura da corrupção, ao patrimonialismo, à falta de transparência e à baixa capacidade de mobilização social.

Leia mais…

AUTÊNTICO E FALSO MORALISMO

05/08/2011

 

Folha de Pernambuco, 05/08/2011

Editorial

A torrente de denúncias de irregularidades sobre desvios de recursos públicos prossegue como se fosse uma ocorrência rotineira no País. A onde de fatos comprometedores, verdadeiros ou não, porém, vem de longe, de décadas passadas.

Vamos nos restringir, para não ocuparmos maior número de linhas, ao início da década de 1950, a partir do governo constitucional do presidente Getúlio Vargas. Este, por adotar uma política dirigida em benefício dos trabalhadores e do próprio interesse nacional, tornou-se vítima indefesa dos seus adversários, quando do atentado em que foi assassinado o major da Aeronáutica, Rubem Vaz, certa noite, no Rio de Janeiro, em 1954, ao acompanhar o líder oposicionista, Carlos Lacerda, à sua residência, sendo ele um dos corifeus da União Democrática Nacional (UDN).

Leia mais…

Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação