PRIMEIRA RODADA DE PESQUISAS DO SEGUNDO TURNO

15/10/2010

 

Imagem publicada no blog do IMN

Fonte: elaboração do autor, com base nas pesquisas listadas

Fonte: elaboração do autor, com base nas pesquisas listadas

Nestes últimos cinco dias foram publicadas quatro pesquisas de abrangência nacional levadas a efeito pelos grandes institutos que vem cobrindo a eleição presidencial deste ano: Datafolha, Ibope, Vox Populi e Sensus.

Exceto em relação ao Datafolha, cujo trabalho de campo é mais “antigo”, as demais pesquisas fizeram entrevistas em períodos bem próximos uns dos outros, a ponto de terem apresentando um dia de overlapping, dia 11 de outubro.

Os números divulgados por esses institutos são bem parecidos, considerando que provém de metodologias distintas. É conveniente neutralizar a influência individual de qualquer uma dessas pesquisas, calculando a média de intenção de votos entre elas, para cada um dos candidatos.  

Em termos de votos totais a média de intenção de votos de Dilma Rousseff nessa primeira leva de pesquisas alcançou 47,9%, enquanto que a de José Serra registrou 41,7%. A diferença entre eles é, portanto, de 6,2 pontos de percentagem, na média.

É digno de registro notar que ainda há, em média, 10,4% de votos brancos, nulos e indecisos, visto que faltam pouco mais de duas semanas para a eleição.

Apenas para dar uma ordem de grandeza, esse percentual representa cerca de 10,6 milhões de eleitores, imaginando-se que os votos válidos do segundo turno sejam aproximadamente iguais ao do primeiro, na casa dos 101,6 milhões.

Desses 10,6 milhões, em torno de 6 milhões referem-se aos indecisos, que têm que assumir uma das duas candidaturas no dia da eleição, ou votar em branco ou anular o voto, supondo que não se abstenham de votar. De qualquer maneira, trata-se de um contingente elevado, passivo, eventualmente, de ser conquistado pelos candidatos. 

Quando se transformam os votos totais em votos válidos, desconsiderando-se exatamente esse contingente mencionado (os votos brancos e nulos são retirados e os indecisos distribuídos proporcionalmente entre as duas candidaturas), a média de intenção de votos de Dilma vai para 53,5% e a de Serra para 46,5%.

Uma diferença de 7 pontos de percentagem em votos válidos, no segundo turno, quando só há duas forças em disputa,  significa que a parte em desvantagem só precisa de 3,5 pontos para neutralizar a distância entre elas. Não é, portanto, uma diferença expressiva, mesmo levando-se em conta o pouco tempo que resta para o dia 31 de outubro.

A essas alturas, nem mesmo o mais ousado dos analistas se arriscaria a prevê vitória de um dos candidatos. Uma coisa é visível, todavia: o clima de euforia mudou da situação, que imaginava findar o pleito já no dia 03 de outubro, para a oposição, que desembarcou às duras penas no segundo turno, façanha que há um mês parecia impossível.

E para alimentar essa euforia nas hostes oposicionistas, os números das primeiras pesquisas dessa nova fase vem mostrando que é relativamente pequena a distância que separa as intenções de voto de Dilma das de Serra, a ponto deste último levantamento do Sensus já consignar empate técnico entre os dois postulantes.

A segunda rodada de pesquisas já vai captar novos desdobramentos da campanha em curso e certamente trará elementos que possam auxiliar na formulação de prognósticos mais abalizados. Os indicativos que se têm até agora não são suficientes para configurar tendência definida.

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação