PREFEITO DO RECIFE 2012: PRIMEIRA RODADA DE PESQUISAS PÓS-CONVENÇÕES

23/07/2012

 

Maurício Costa Romão

O gráfico que acompanha o texto desfila as intenções de voto dos quatro principais candidatos a prefeito da cidade do Recife. Embora gerada de institutos diferentes, com suas metodologias distintas, a evolução dos números, postada consoante cronologia da data do trabalho de campo, dá margem a que se possam observar os primeiros movimentos ondulatórios das trajetórias de intenção de votos das quatro principais candidaturas postas à PCR.

Numa rápida olhada pelo gráfico fica patente a inexistência de uma linha que espelhe trajetória bem definida. Naturalmente, é muito cedo ainda para vislumbrar tendências. Novas rodadas de pesquisas, particularmente as que serão feitas a partir da entrada em vigor do horário eleitoral, dia 21 de agosto, delinearão um quadro prospectivo mais nítido.

Neste mês de julho (de 04 a 21) foram publicadas cinco pesquisas de intenção de votos levadas a efeito pelos institutos que as registraram no TRE e divulgaram os resultados de seus levantamentos: Opinião, Método, IMPN, Ibope e Datafolha.

Os números divulgados por esses institutos são bem parecidos, considerando as respectivas margens de erro e o fato de que provêm de metodologias distintas.

É conveniente neutralizar a influência individual de qualquer uma dessas pesquisas, calculando a média de intenção de votos entre elas, para cada um dos candidatos. Essas médias de intenção de votos dos principais candidatos após as convenções partidárias e o registro definitivo das candidaturas estão mostradas na tabela abaixo.

 

Em termos de votos totais a média de intenção de votos de Humberto Costa é de 36,2%, quatro pontos percentuais a menos que o somatório de votos dos demais candidatos.

Essa constatação numérica aponta para realização de segundo turno na eleição do Recife. Outros ingredientes podem ser adicionados a essa possibilidade, principalmente o aguardado crescimento das intenções de voto do candidato pessebista, que pode subtrair votos da candidatura líder. Ocorrendo isso, aumenta o fosso que separa as intenções de voto do líder e a barreira dos 50% mais um dos votos válidos.

Havendo segundo turno, é impossível, com os números que se têm hoje, prognosticar quais dos contendores ultrapassarão a data de 07 de outubro para o embate final.    

A segunda rodada de pesquisas já vai captar novos desdobramentos da campanha em curso e certamente trará elementos que possam auxiliar na formulação de prognósticos mais abalizados. Os indicativos que se têm até agora, como se viu, não são suficientes para configurar tendência definida.

   ————————————————————————

Maurício Costa Romão, Ph.D. em economia, é consultor da Contexto Estratégias Política e de Mercado, e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. mauricio-romao@uol.com.br, http://mauricioromao.blog.br.

 

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação