POPULARIDADE DE DILMA NO NORDESTE

12/08/2014

Fonte: elaboração própria, com base em pesquisas do Ibope

Maurício Costa Romão

A pesquisa do Instituto Ibope de antes das manifestações de junho de 2013, realizada em março, apontava a presidente Dilma Rousseff exibindo grande popularidade no Nordeste: 72% de avaliação positiva, medida pelas menções de ótimo e bom.

Logo após aquelas insurgências, o levantamento do mesmo instituto em julho já registrava queda da avaliação positiva para 43%. Depois de esboçar certa reação a partir dali, e até dezembro do ano passado, a seqüência de pesquisas mensais do Ibope em 2014 mostra que os níveis de popularidade da mandatária nacional retornaram aos patamares pós-manifestações (vide gráfico).

Essa trajetória de aprovação do governo no Nordeste, entre declinante e estabilizada no entorno dos 40%, tem afetado as intenções de voto à presidente. De fato, depois de formalizada a coalizão Rede/PSB, em outubro de 2013, o Ibope registrou naquele mês 57% de intenção de votos para Dilma na região. Agora em agosto, o mesmo instituto constatou queda dessa votação para 51%.

Pode-se dizer que, embora caindo, tanto a avaliação do governo da presidente, como suas intenções de voto, ainda são elevadas. E de fato são. Basta ver, por exemplo, que o conjunto dos adversários da presidente alcançou apenas 27% de intenção de votos nessa pesquisa do Ibope de agosto, na região Nordeste, contra os 51% já mencionados.

É no Nordeste que a presidente Dilma desfruta de grande consideração e de muitos adeptos à sua postulação a novo mandato, menos talvez pelos resultados de seu governo e mais pelo extraordinário prestígio do seu maior aliado e eleitor, o ex-presidente Lula.

Não é surpresa, pois, que Dilma desfile seus mais reluzentes índices votos e popularidade na região. E precisa mantê-los elevados para assegurar que o pleito termine no primeiro turno, já que se houver o segundo, são bem mais remotas as chances de reeleição da presidente (vide texto “Turnos eleitorais”, no blog do autor).

Mas a questão não é de “estoque” (magnitude dos indicadores), mas de “fluxo” (trajetória dos indicadores). Tanto a avaliação do governo, quanto as intenções de voto da presidente estão com tendência de declínio de outubro para cá, o que sinaliza obstáculos à sua pretensão.

A nível nacional a disputa presidencial está técnica e numericamente empatada (50% para a presidente e 50% para o conjunto dos oponentes, em votos válidos), levando-se em conta a média das últimas três pesquisas nacionais em julho (Sensus, Datafolha e Ibope), ou a média dessas três pesquisas mais a do Ibope de agosto, ou apenas a do Ibope de agosto.

Assim, para manter a perspectiva de ganhar a eleição na sua primeira etapa a candidata petista precisa, no mínimo, manter a votação excedente que tem no Nordeste, relativamente ao conjunto de seus adversários, ceteris paribus.

————————————————————————

Maurício Costa Romão, Ph.D. em economia, é consultor da Contexto Estratégias Política e Institucional, e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. mauricio-romao@uol.com.br, http://mauricioromao.blog.br.

 

 

 

 

 

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação