PLUTOCRACIA, PARALISIA E PERPLEXIDADE

11/05/2012

Paul Krugman

Folha de S.Paulo, 05/05/2012

O real problema estrutural está no sistema político, distorcido e paralisado por uma minoria rica

Antes da Grande Recessão, eu costumava fazer palestras sobre a crescente desigualdade nos EUA, enfatizando que a concentração de renda no topo da sociedade havia atingido níveis não vistos desde 1929. Muitas vezes, alguém me perguntava se isso queria dizer que uma nova depressão estava a caminho. Não é que a pergunta fazia sentido?

Será que a ascensão do 1%, ou melhor, do 0,01% causou a Pequena Depressão que vivemos? É provável que tenha contribuído. Mas o principal aspecto é que a desigualdade é um dos grandes motivos para que a economia esteja tão deprimida, e o desemprego, tão alto.

O melhor modo de explicar é o seguinte: se algo parecido com a crise financeira de 2008 tivesse ocorrido, digamos, em 1971 -ano em que Richard Nixon declarou que “agora minha política econômica é keynesiana”-, Washington provavelmente teria respondido de modo razoavelmente efetivo. Teria surgido consenso bipartidário amplo em favor de medidas fortes, e teria existido acordo generalizado sobre o tipo de ação necessária.

Mas isso ficou no passado. Hoje, Washington é caracterizada por uma combinação entre partidarismo amargo e confusão intelectual.

Como chegamos a isso? Pelos últimos cem anos, a polarização política sempre seguiu de perto a desigualdade de renda, e há motivos para crer que a relação seja causal. Especificamente, dinheiro compra poder, e a crescente riqueza de uma pequena minoria na prática comprou a adesão de um dos dois grandes partidos, destruindo qualquer perspectiva de cooperação.

A tomada de controle do 0,01% sobre metade do espectro político também responde pela degradação do discurso econômico, que tornou impossível uma discussão sensata sobre o que deveríamos fazer.

As disputas econômicas costumavam ser delimitadas por um entendimento compartilhado sobre a política econômica. Agora, o Partido Republicano está sob o domínio de doutrinas que no passado eram marginais e que fracassaram estrondosamente na prática. Por exemplo, os defensores do padrão ouro entre os conservadores preveem há três anos uma disparada na inflação e nos juros, e erraram.

E por que os republicanos se apegam tanto a essas doutrinas? Parte da explicação está em que bilionários sempre as adoraram, pois dão justificativa para políticas que servem aos seus interesses. O apoio de bilionários sempre foi o principal motivo para que os charlatões e picaretas continuassem em circulação. E agora eles conquistaram o controle de todo um partido.

O que nos conduz à questão do que será necessário para liquidar a depressão em que estamos.

Muitos sabichões asseguram que a economia dos EUA tem problemas estruturais e que isso impede recuperação rápida. Mas todas as provas indicam que o problema é uma simples falta de demanda, que poderia ser curada por meio de medidas de estímulo fiscal e monetário.

Não, o verdadeiro problema estrutural está no sistema político, que foi distorcido e paralisado pelo poder de uma minoria rica. E a chave para a recuperação econômica está em descobrir como eliminar a influência maligna dessa minoria.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação