OS VOTOS BRANCOS, NULOS E INDECISOS NAS PESQUISAS

20/10/2010

 

Fonte: elaboração do autor com base em 51 pesquisas: Datafolha (17), Ibope (17), Sensus (9) e Vox Populi (8).

Por Maurício Costa Romão

Os quatro grandes institutos de pesquisa do país realizaram 51 pesquisas eleitorais de setembro do ano passado até as vésperas da eleição de 03 de outubro: Datafolha (17 pesquisas), Ibope (17), Sensus (9) e Vox Populi (8).

A evolução das intenções de voto captadas por esses levantamentos, relativa aos votos brancos, nulos e indecisos, está retratada no gráfico que acompanha o texto. Apenas algumas datas do trabalho de campo dessas pesquisas aparecem no gráfico.

Como se pode observar, a trajetória desses votos é claramente descendente, conforme bem espelha a linha de tendência com inclinação negativa.

O fenômeno é usual em pesquisas seqüenciadas ao longo do tempo, oriundas ou não de institutos diferentes. Com efeito, quanto mais distante do pleito mais os eleitores se mostram reticentes em manifestar preferências por este ou aquele candidato, optando, ao invés, por declarar que vai votar em branco, anular o voto ou, simplesmente, que não sabe em quem vai votar.

Nessa fase longínqua da eleição, muitos eleitores também não têm conhecimento ainda das candidaturas postas, o que contribui para o aparecimento de grandes percentuais de indecisos.

À medida que a data da eleição se vai aproximando as preferências se vão revelando mais claramente, diminuindo a quantidade dos que se declaravam indecisos, bem como a que intentava anular o voto ou votar em branco.

Por exemplo, de setembro do ano passado até março deste ano a média de intenções de voto nessa categoria foi de 20,4%, ao passo que nas duas últimas pesquisas do Datafolha e do Ibope, dos dias 01 e 02 de outubro, o percentual caiu para o valor médio de 6,5%.

Uma particularidade interessante dos votos brancos e nulos constatada na evidência empírica de várias eleições, é que há uma correlação inversa entre esses votos e os níveis de escolaridade, quer dizer, quanto maiores estes, menores são os percentuais de votos brancos e nulos observados nas urnas.

Assim, no Brasil, é comum encontrar percentuais maiores de votos brancos e nulos em estados e municípios no Nordeste, onde pontificam índices mais baixos de escolaridade, do que no Sul/Sudeste.

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação