O USO DAS RESERVAS INTERNACIONAIS PARA INVESTIMENTOS

29/03/2016

Maurício Costa Romão

A deterioração das contas públicas governamentais encetou um mecanismo circular da dívida que precisa ser interrompido sob pena de o país não conseguir pôr fim à recessão.

A causação circular começa com o déficit nominal crescente, que aumenta a relação dívida/PIB, indicador básico de solvência fiscal de uma economia.

A trajetória ascendente do déficit pressiona o aumento do dólar. As importações ficam mais caras e a inflação aumenta. Os juros sobem para conter a inflação, mas isso faz crescer o serviço da dívida. Com as receitas estagnadas ou caindo, o déficit nominal aumenta mais ainda e o círculo vicioso continua…

O mecanismo é, às vezes, descontinuado por fatores ocasionais, mas as causas não resolvidas que deram ensejo à grave situação da economia, contudo, operam no sentido de reinstalar o processo circular.

O receituário convencional para desmontar essa armadilha dá-se mediante ajustes e reformas que corrijam o desequilíbrio fiscal, criando condições para a retomada de crescimento sustentável.

Avesso a essa agenda, o PT passou a defender recentemente o uso das reservas internacionais do país para investimento interno (vide documento “O futuro está na retomada das mudanças”).

Considerando estoque recente, as reservas somariam US$ 360,0 bilhões, cerca de 20% do PIB. Alguns analistas argumentam que esse nível de reservas é mais do que suficiente para proteger o país de movimentações bruscas no fluxo de capitais e que um estoque adequado gravitaria no entorno de 10% a 15% do PIB.

Não há consenso entre especialistas sobre o nível ótimo de reservas dos países. Admita-se, contudo, que se faça uso de parte delas, deixando o estoque em cerca de 15% do PIB.

O governo utilizaria, então, US$ 90,0 bilhões das reservas, o que requereria transformá-los em R$ 360,0 bilhões para investimento interno (supondo uma taxa de câmbio de R$ 4,0 / US$ 1,0).

Um parêntesis: essa operação esbarra em impedimentos legais. Quem tem os dólares é o Banco Central (BC) e quem vai gastar os reais em investimentos é o Tesouro. Esses reais não estavam previstos no orçamento. Jogá-los na economia equivale a gerar um crédito suplementar de R$ 360,0 bilhões sem passar pelo Congresso Nacional. Ou seja, uma pedalada semelhante a que foi realizada pelo governo no passado recente.  

Mas, injetados os R$ 360,0 bilhões na economia o BC entra em ação, enxugando o aumento de liquidez no sistema mediante a venda de títulos da dívida pública, remunerados pela Selic a 14,25% ao ano. Esta operação, é óbvio, aumenta a dívida pública.

Outro parêntesis. Há um custo elevado de manutenção das reservas, já que estas rendem menos de 1% ao ano lá fora e o BC paga 14,25% ao ano para esterilizar os reais internamente. O “seguro” pelo conforto de liquidez custa caro, de fato.

Como fica a posição patrimonial do país após o uso de parte das reservas? O estoque total diminui e a dívida pública resta acrescida. Quer dizer: o país reduziu as reservas, que é o seu ativo, e aumentou a dívida pública, que é seu passivo!

E os gastos de investimento? Bem, certamente terão importância positiva na economia, se dispendidos propriamente, mas ao preço de reduzir o colchão protetor do país, as reservas, e de turbinar a dívida pública, impulsionando o movimento circular descrito acima.

A rationale econômica diz que a retomada do investimento se dá com reequilíbrio de contas públicas, que depende, urbi et orbi, de ajuste fiscal e reformas estruturais. Fora daí, é exercício de autoengano.  

———————————————————-

Maurício Costa Romão, é Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos.

mauricio-romao@uol.com.br

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação