NÓS E AS ANGÚSTIAS

03/04/2012

Marta Suplicy

Folha de S.Paulo, 31/03/2012

Por óticas diferentes, a frágil condição humana é abordada em três filmes em cartaz: “Shame”, “Habemus Papam” e “W.E. – O Romance do Século”. Os dois primeiros mereceram um brilhante artigo de João Pereira Coutinho nesta Folha (“Ilustrada”, 27/3). Em “Shame”, a angústia aplacada pelo sexo é o foco. Em “Habemus Papam”, é a angústia da responsabilidade e, em “W.E.”, da diretora Madonna, a das diferentes prisões femininas. Sofremos e tentamos resolver nossas fragilidades com as limitações que temos.

Muito já foi escrito sobre homens viciados em sexo. O tema me faz recordar uma pesquisa feita por um grande estudioso da sexualidade humana, Alfred Kinsey. Quando questionadas sobre sexualidade, as pessoas respondem que o normal é o que praticam. A prática diferente é considerada patológica.

“Shame” é a história de um homem que pratica sexo sem hora e sem local. Seja na internet, seja com prostitutas, seja se masturbando à exaustão. Só não consegue desempenhar quando sai com uma colega que lhe interessa, portanto havendo possibilidade de um elo.

Michael Fassbender faz a magistral interpretação do obcecado que, quanto mais angustiado fica, mais procura aplacar o desespero no vazio de um contato sem nome. A situação piora quando sua irmã dependente, vulnerável e promíscua vai morar com ele. Sua busca de afeto lhe é insuportável.

Fiquei pensando que diferença faria um divã! Enquanto isso, vemos a que a incapacidade de conter e elaborar emoções, além do que nosso aparelho psíquico tolera, pode levar. Viciado em sexo? A questão é outra.

“Habemus Papam”, aparentemente uma crítica à igreja, talvez seja uma ode à fragilidade humana. Um papa eleito não se acha em condição de enfrentar a responsabilidade e decide abdicar. Antes, vaga pela cidade, conversa com gente de teatro, lembra de suas frustrações e toma coragem para não ser o que crê um equívoco.

É tudo muito fora da realidade, menos o desamparo e a solidão humana. Michel Piccoli, com excepcional interpretação, consegue nossa identificação e solidariedade com um papa humano na sua angústia.

“W.E.” é um filme feito por mulher e uma das grandes do nosso tempo. Madonna fala de jaulas douradas e rompimentos possíveis ou não.

Para tal, alterna a vida de uma mal casada jovem contemporânea chamada Wally com a vida de Wallis Simpson -a protagonista do romance do século. Uma consegue romper os grilhões e a outra diz: “Ele (o rei) escapou de sua jaula e eu entrei na minha”. Pois é, não dá para deixar um rei abdicar por amor e depois se aborrecer e sair.

Como diz Madonna, toda criação é autobiográfica. Existem todos os tipos de jaula. Madonna está tendo a oportunidade de elaborar a sua.

MARTA SUPLICY escreve aos sábados nesta coluna.

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação