ESCÂNDALOS NÃO TÊM IMPORTÂNCIA NA VIDA DIÁRIA DOS ELEITORES

02/10/2010

 

Alberto Carlos de Almeida
 Folha de S. Paulo, 29/09/2010

Recordar é viver. Na campanha presidencial de 1994, Rubens Ricupero, então ministro da Fazenda, deixou o cargo no início de setembro por causa de diálogo em off com o jornalista Carlos Monforte da Rede Globo.Em função de uma falha técnica, a conversa foi captada por quem recebia o sinal da Globosat por meio de antenas parabólicas:

“Monforte – E como vai a campanha, ministro?
Ricupero – A campanha está ótima, muita gente que não votaria no Fernando por causa do PFL, agora vai votar por minha causa. (…)
Monforte – Dizem que o Lula está subindo.
Ricupero – Se ele está subindo, então precisamos de um espaço no “Fantástico”, porque não adianta ficar falando do Real só nos programas de telejornalismo.
Monforte – E depois das eleições, o que acontece?
Ricupero – Depois de 15 de novembro, vamos ter de reprimir greves que vão ocorrer no Brasil. Vamos soltar a polícia sobre os grevistas. [...] O que é bom a gente fatura, o que é ruim, esconde.”

O PT colocou este episódio exaustivamente em sua propaganda eleitoral. O efeito que teve sobre o favoritismo de Fernando Henrique foi nulo. O PT depositou esperanças de que isso mudaria o destino da campanha, o que não se concretizou.

Em 1998, foi o evento no qual Fernando Henrique afirmou que “todo aposentado é vagabundo”, em 2006 foram os aloprados. Nenhum destes eventos alterou o que já estava configurado: o franco favoritismo de quem já liderava nas pesquisas.

A eleição de 2010 entrará para história, dentre outros motivos, como sendo a eleição na qual os tucanos depositaram as suas maiores esperanças nos escândalos da quebra do sigilo fiscal da filha do Serra e do tráfico de influência de Erenice Guerra.

E mais uma vez, nada terá ocorrido. Mantenho a minha previsão de vitória de Dilma Rousseff ou no primeiro ou no segundo turno.

A previsão se sustenta numa verdade simples: quem acha o governo ótimo ou bom vota maciçamente na candidata do governo. A avaliação do governo Lula é excepcionalmente positiva: 80% o consideram ótimo ou bom. É algo raro na história.

É praticamente impossível que, nessas condições, o governo perca a eleição. Ninguém segura uma tsunami de 80% de aprovação, nem mesmo os descaminhos de Erenice Guerra. Em 2006, os 50% de ótimo e bom de Lula foram suficientes para evitar uma reviravolta da eleição em função do escândalo dos aloprados.
Os escândalos de corrupção não têm importância na vida diária do eleitor. O aumento do consumo tem.


ALBERTO CARDOS DE ALMEIDA é cientista político e diretor do instituto Análise

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação