ELEITORES E POLÍTICA EM SÃO PAULO

01/03/2012

Marcos Coimbra

Blog do Noblat, 22/02/2012

Seria bom se o sistema político considerasse as eleições deste ano em São Paulo como a maioria dos habitantes da cidade: pura e simplesmente, como a escolha de quem será o próximo prefeito.Não são diferentes, nesse aspecto, dos eleitores do resto do país. Todos sabem que, periodicamente, devem escolher o encarregado de administrar sua cidade, zelando para que a prefeitura atenda as necessidades da população, cuide dos serviços básicos e faça com que, na medida do possível, convivam em harmonia.

São tarefas complicadas, que exigem empenho e dedicação dos prefeitos. Na maior metrópole do Brasil, uma das maiores do mundo e das mais problemáticas, mais ainda.

Uma pequena minoria vota para o cargo somente pensando na filiação partidária do candidato. Os mais petistas dos simpatizantes do PT e os mais tucanos dos peessedebistas.

A maioria pensa pragmaticamente: com a informação de que dispõe, procura identificar aquele que mais saberá fazer com que a saúde pública funcione, as escolas municipais ofereçam educação de qualidade, o trânsito flua, as ruas estejam conservadas, a limpeza da cidade não falhe, as empresas não a abandonem, procurando outros lugares onde se instalar.

Já vimos esse voto de pouco compromisso ideológico várias vezes em São Paulo. Em 2000, por exemplo, Marta Suplicy venceu a corrida para a prefeitura, mas os eleitores da cidade votaram em Alckmin, dois anos depois, para o governo do estado, junto com Lula para presidente. Pelo que parece, não perceberam haver conflito em ter uma prefeita e um presidente petistas, e um governador tucano. Um voto não levou a outro.

Neste começo de 2012, políticos, jornalistas e comentaristas debatem as eleições na cidade como se elas fossem mais do que são para seu personagem fundamental – o cidadão. Como costumam fazer, sempre sem proveito.
Não se discute quem será o prefeito que tomará posse em janeiro de 2013. Só interessam as (imaginadas) consequências de sua eleição nas vindouras, quando serão escolhidos governador e presidente.

É possível que as de agora sejam mesmo relevantes para a sucessão estadual. Prestes a completar 20 anos de permanência no Palácio dos Bandeirantes, o PSDB dá sinais do que se costuma chamar fadiga de materiais: Alckmin, no início de seu terceiro período como governador, não repete os níveis de popularidade que obtinha no passado – embora supere os de Serra.

Mas é cedo para especular sobre a redução de suas chances de reeleição. Ele continua a fazer uma administração muito bem avaliada.

O certo é que os partidos precisam ter candidatos com perspectiva de futuro. E as eleições na capital são uma das mais importantes plataformas para lançá-los.

Ganhando – e podendo, assim, mostrar suas qualidades à frente da prefeitura – ou mesmo perdendo – mas aumentando seu conhecimento e visibilidade no estado (se fizerem boas campanhas), novos nomes vão surgir, este ano, em São Paulo. Serão eles os próximos personagens da política estadual (e, talvez, nacional).
É nisso que aposta o PT, com Fernando Haddad, e o PMDB, com Gabriel Chalita.

Quanto ao PSDB, que se resolva. Pode fazer como os outros e se preparar para o futuro, indo adiante com as prévias e escolhendo um novo rosto. Ou pode recolocar suas fichas no passado, apresentando, pela quarta vez, a candidatura de Serra.

Em 2004, ele jurou que queria ser prefeito. Deram-lhe a oportunidade e ficou no cargo por 15 meses – depois da (ridícula) declaração, em cartório, de que cumpriria o mandato na íntegra. Desta feita, quem quiser que acredite.

Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação