… E TEM MAIS, DILMA É LINDA

14/04/2012

Marcos Coimbra

Blog do Ricardo Noblat, 11/04/2012

A cada vez que é publicada uma nova pesquisa sobre a popularidade do governo – como essa recente que o Ibope desenvolveu para a CNI -, uma pergunta se recoloca: o que será que seus adversários pensam dos números? Que explicação terão para eles? Realizada entre os dias 16 e 19 de março, trouxe resultados que devem ter aumentado sua perplexidade. No final de um trimestre marcado por notícias de baixo crescimento econômico e sem que tivessem cessado as denúncias de irregularidades na administração, Dilma cresceu.

Entre dezembro e março, a aprovação da presidente subiu 5 pontos percentuais e foi a 77%, o que fez com que ela voltasse a superar seus próprios recordes de popularidade – considerando a altura em que está do mandato. Nem Lula chegou a isso aos 15 meses.

Perguntados sobre como avaliavam o governo, 56% disseram que o achavam “ótimo” ou “bom”. Outros 34% se mostraram menos entusiasmados, afirmando que o viam como “regular”. Restaram 8% contrários: 4% dizendo que era “ruim” e 4% “péssimo”.

Entre esses últimos deve estar a oposição parlamentar e partidária, à esquerda e à direita. De público, suas lideranças não se perturbam quando saem pesquisas com resultados desse tipo. As ignoram e agem como se não existissem.

Em privado, ficam confusas. Não entendem o que está acontecendo. No máximo, culpam-se umas às outras: é porque não demos o devido valor à “herança de Fernando Henrique”, porque não soubemos reivindicar a paternidade do Bolsa Família, não fomos suficientemente críticos, e por aí vai.

Também faz parte dessa parcela a oposição social, incluídos seus núcleos mais vociferantes e mobilizados. Normalmente, gostam de falar e expressar seus pontos de vista na internet. Mas emudecem nessa hora.

Pelo pouco que dizem, parece que alguns desconfiam que pesquisas assim são “armações”. Que os institutos, mancomunados com o governo, inventam os resultados. Que, “na verdade”, o povo está com eles, na sua cruzada contra o lulopetismo.

E existem os analistas e comentaristas da imprensa oposicionista, alguns apenas folclóricos e outros que levam a sério seu papel. Uns e outros têm dificuldade de compreender a aprovação do governo.

Há os que tendem a explicá-la através da ideia de desinformação, recorrendo – de forma explícita ou nas entrelinhas – à suposição de que a avaliação positiva decorre da ignorância da população. Como não gostam do governo e se acham muito bem informados, deduzem que todos seriam igualmente hostis se tivessem informação.

O problema da hipótese é que ela não explica porque Dilma é mais aprovada que, por exemplo, Fernando Henrique em 1996, no apogeu do Plano Real. A menos que acreditássemos que a ignorância e a desinformação cresceram de lá para cá, o que seria uma tolice.

Há os que usam o argumento do bolso cheio, acreditando que os pobres pensam com a barriga (enquanto os bacanas com o intelecto). Mas o que teria ocorrido de dezembro para cá? Enriqueceram? A cesta de consumo barateou? Se a causa da popularidade é o dinheiro no bolso, como entender que tenha aumentado em um trimestre nebuloso?

E é possível que haja alguns que, secretamente, tenham outro convencimento. Semelhante ao de Simão Bacamarte a respeito de seus concidadãos da Itaguaí de Machado de Assis.

Se os Bacamartes modernos estão certo e se suas convicções são inquestionáveis, resta apenas uma explicação para que exista quem deles discorde: só podem ser loucos.

Que não suceda a nossos comentaristas o que terminou acontecendo ao alienista: quando se deu conta que o errado era ele, foi se trancafiar no asilo de onde libertou os que achava desequilibrados.

Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação