AVALIAR ADMINISTRAÇÃO DE GOVERNANTES PELOS PERCENTUAIS DE ÓTIMO E BOM NÃO É UMA BOA!

31/07/2013

 

Maurício Costa Romão

 

No quesito “avaliação da administração ou da gestão” dos governantes é comum os institutos de pesquisa inquirirem os respondentes sobre se o mandatário está realizando uma administração “ótima, boa, regular, ruim ou péssima”.

Como a categoria que vai de ótimo a péssimo envolve cinco alternativas, os resultados extraídos das pesquisas e apresentados à leitura não são assim de fácil assimilação, dando margem a interpretações variadas, dependendo do ângulo como são vistas*.

Daí por que se tornou praxe os institutos de pesquisa usarem apenas o percentual das subcategorias de ótimo e bom para aferir o desempenho dos governantes.

Dizer, por exemplo, que determinado incumbente tem sua administração aprovada por 40% dos eleitores (ou da população), resultado da soma dos percentuais de ótimo e bom, transmite uma informação intuitivamente simples, de fácil apreensão. Por isso o procedimento dos institutos está-se popularizando na mídia e entre os que acompanham as pesquisas.

Ademais, se a soma de ótimo e bom é confrontada com números de outras pesquisas, anteriores ou contemporâneas, do mesmo instituto ou não, tem-se uma percepção clara do desempenho comparativo do mandatário.

Veja-se, à guisa de ilustração, o gráfico azul abaixo. Nele estão postados os resultados dos cinco últimos levantamentos nacionais dos institutos Datafolha, Ibope e MDA sobre avaliação do governo Dilma Roussef, realizados entre os meses de junho e julho do corrente ano.

Nota-se claramente pela evolução da linha que representa o conceito de “aprovação” – soma dos percentuais de ótimo e bom – que durante o turbulento período das manifestações de junho, a avaliação positiva da presidente Dilma cai drasticamente.

Fonte: autoria própria com base nas pesquisas listadas.

 

Contudo, nos dois levantamentos da primeira quinzena de julho, há indícios de que o percentual de aprovação parou de cair e se estabilizou no entorno de 30%.

Apesar do seu appeal, o índice de aprovação, do jeito que é mensurado, apenas circunscrito à soma dos percentuais de ótimo e bom, deixa de lado informações importantes relativas às demais subcategorias: “regular” e “ruim e péssimo”. Isso traz inconvenientes formais.

Por exemplo, tome-se a pesquisa do Datafolha de 7 de junho, Os percentuais foram: ótimo + bom = 57; regular = 33 e ruim + péssimo = 9. Imagine-se agora que o instituto realizou outro levantamento em seguida, cujos resultados apresentados tenham sido os seguintes: ótimo + bom = 47; regular = 48 e ruim + péssimo = 4.

Quer dizer, de uma pesquisa para outra baixou o percentual de ótimo e bom em dez pontos de percentagem e também o de ruim e péssimo em mais da metade. Significa que alguns eleitores ficaram mais reticentes, duvidosos, em relação à gestão da presidente e migraram para o regular (“mais ou menos”): houve, concomitantemente, menos manifestações entusiásticas de ótimo e bom e, também, menos declarações desabonadoras de ruim e péssimo.

Diante das tradicionais margens de erro, por exemplo, de 3% nas duas pesquisas, a conclusão não poderia ser outra: a aprovação da gestão da presidente diminuiu dez pontos de percentagem.

Um indicador que capturasse as cinco subcategorias, ao invés de duas somente, apresentaria resultado diametralmente oposto. É o caso do índice de Avaliação da Administração, o IAA, sugerido recentemente*. O referido indicador é dado por:

IAA = [(O+B) – (R+P)] / [(O+B) + (R+P)]

Em que as letras referem-se às iniciais das palavras das subcategorias de ótimo, bom, ruim e péssimo (uma letra denominativa da subcategoria regular não aparece na fórmula porque o percentual de regular é distribuído proporcionalmente entre todas as outras subcategorias).

De fato, na pesquisa do Datafolha de 7 de junho, o IAA seria igual a 0,73. Já no exemplo simulado, o mesmo índice teria crescido para 0,84, um incremento de mais de 7%.

Em outras palavras, enquanto o Datafolha, com base nos percentuais de ótimo e bom, mostraria que a presidente Dilma Roussef perdeu popularidade (outra forma de se referir à avaliação da gestão) no período considerado, outro indicador, o IAA, que leva em consideração todas as subcategorias da dimensão Avaliação da Administração, exibiria, ao contrário, um aumento de popularidade.

Voltando aos dados reais do gráfico azul e apresentando outro gráfico, o róseo, abaixo. Os dois usam os mesmos dados das pesquisas listadas, só que retratam dois indicadores diferentes: o azulado, o convencional ótimo e bom; o róseo, o IAA, que sintetiza informações de todas as subcategorias.

Fonte: autoria própria com base nas pesquisas listadas.

 

Veja-se no gráfico róseo que, diferentemente da tendência estacionária apresentada quando só se levavam em conta os percentuais de ótimo e bom, a evolução de IAA aponta para continuidade de queda de popularidade da mandatária brasileira.

O índice IAA, como já se mostrou*, tem a vantagem de eliminar as subjetividades envolvidas na leitura dos números que se referem à avaliação da administração, não deixando dúvidas sobre o julgamento que foi conferido ao governante pelos eleitores. Tem também o mérito de evitar incoerências, como a de espelhar resultados que levem a conclusões equivocadas.

—————————————————————-

Maurício Costa Romão, Ph.D. em economia, é consultor da Contexto Estratégias Política e Institucional, e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. mauricio-romao@uol.com.br

* “Pesquisas eleitorais: construindo um ‘índice de avaliação da administração’”, texto postado no  blog do autor: http://mauricioromao.blog.br.

 

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação