AS MUITAS INTELIGÊNCIAS PARA GOVERNAR

06/02/2012

 

Murillo de Aragão

Blog do Noblat, 02/02/2012

O ato de governar é complexo por exigir do governante habilidades e desempenhos em múltiplas áreas. Winston Churchill, considerado por muitos o mais completo estadista de todos os tempos, é um dos grandes exemplos da capacidade multidisciplinar que um governante deve ter. Churchill tinha rara sensibilidade no trato de temas econômicos, militares, sociais e políticos, o que não significa que optasse sempre pelas atitudes politicamente corretas dos tempos contemporâneos.

Quando chamado a liderar seu país, mostrou imensa aptidão para desvendar o inimigo, motivar e direcionar os aliados e entender e animar os britânicos. Além de conseguir integrar os vários vetores sociais e analisá-los de forma ordenada e consequente.

Todo dia de manhã, Churchill recebia, por exemplo, um relatório sobre o estado de espírito dos britânicos, que sofriam com os bombardeios alemães. Seus discursos motivavam tanto os soldados quanto o povo a enfrentar o inimigo, que muitos consideravam invencível.

Mais do que a ninguém, o mundo livre deve a Churchill muitas das imensas liberdades que existem hoje.

Tendo usado Churchill como paradigma a ser observado, aponto as três inteligências básicas necessárias ao governante moderno: a inteligência econômica, a inteligência política e a inteligência social.

Inteligência econômica é aquela que orienta em prol da boa gestão financeira, do trabalho, do emprego e do investimento. Um governante inteligente economicamente é aquele que protege os fundamentos econômicos de seu país e favorece a construção de uma sociedade financeiramente confiável.

Inteligência social é aquela que permite entender as forças da sociedade e dialogar com elas, e também com aqueles que não estão bem representados nela. Nesse tipo de inteligência é preciso tanto compreender a sociedade como um corpo organizado em setores quanto as largas parcelas que não estão ou não se sentem representadas.

Dialogar com a sociedade organizada bem como auscultar os sentimentos das massas é fundamental para viabilizar um governo de cidadãos felizes.

Inteligência política é aquela que permite equilibrar as demandas da sociedade com as exigências da economia e dos aliados políticos. Em sistemas politicamente complexos, a inteligência política revela-se a mais importante delas por permitir que as demais inteligências se tornem consequentes.

As três inteligências são fundamentais, tanto para quem propõe soluções quanto para quem as debate e as implementam. Caso uma delas falhe, fica um espaço de contradições que não favorece o país e acaba protegendo o que é injusto e inadequado para a cidadania.

Alguém pode perguntar se esqueço a inteligência administrativa. Não esqueço, mas não a situo entre as inteligências estratégicas. Um bom governante saberá adquirir a inteligência administrativa, bem como dialogar com a inteligência diplomática e a militar.

Em sendo governante de uma potência, deve ter também inteligência geopolítica para lidar com o que esteja acima do meramente diplomático e que envolva aspectos regionais, econômicos, militares e sociais.

No Brasil dos tempos correntes, muitos dos presidentes demonstraram ter algumas das inteligências mencionadas. FHC e Lula, com destaque, exibiram elevada taxa de inteligência econômica e inteligência política.

No campo social, apesar dos avanços e do diálogo da era FHC, Lula é o modelo a ser seguido. Principalmente por sua disponibilidade para o diálogo, por seu lado pessoal. E, pelo lado institucional, pela criação do Conselhão, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

 

Murillo de Aragão é cientista político

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação