AEROPORTOS: ALEGRIA PRECIPITADA

29/02/2012

Vinicius Carrasco e João Manoel Pinho de Mello

Folha de S.Paulo, 15/02/2012

O mercado considerou os lances muito altos; isso pode atrasar investimentos e, no limite, até causar a devolução da outorga, como ocorreu na Ayrton Senna. O leilão de privatização dos aeroportos foi motivo de júbilo no governo, e a maioria dos analistas parece concordar com a alegria geral. Temos poucas dúvidas de que a gestão privada adicionará valor à administração dos aeroportos. No entanto, parece-nos precipitada a celebração baseada nos altos ágios com relação ao preço mínimo exigido pelo governo -de 159,75%, em Campinas, a 673,89%, em Brasília.

É possível que os altos ágios, na verdade, impeçam que os investimentos em estrutura aeroportuária sejam feitos em tempo hábil para os megaeventos internacionais que nos esperam.

Consideremos o preço da ação do grupo OHL, que concorria pelos aeroportos, no dia do leilão.

Logo após a abertura do pregão (às 11h), há uma queda abrupta de quase R$ 64 para R$ 62,2 por ação. Nesse momento, o lance de R$ 12 bilhões dado pelo consórcio liderado pela OHL estava se saindo vencedor no leilão do aeroporto de Guarulhos.

Isso muda após o anúncio do lance de R$ 16 bilhões da Invepar, consórcio que seria vencedor. As ações da OHL, então, tiveram forte alta.

Às 12h30, logo após o encerramento do leilão, a preço da ação da OHL pula de R$ 63 para R$ 67, ficando neste patamar durante o resto do pregão. Ou seja: quando a empresa passou de vencedora para perdedora, as suas ações se valorizaram.

Há 68.888.888 ações da OHL. Portanto, perder o leilão adicionou quase R$ 331 milhões de valor à empresa. Todas as empresas cotadas em Bolsa que perderam no leilão subiram mais que o mercado no dia 6 de fevereiro. Por outro lado, os papeis da Triunfo, que tem 45% do consórcio vencedor em Viracopos, caíram mais de 3%, representando uma perda de R$ 42 milhões -e o Ibovespa subiu nesse dia.

No dia seguinte, quando a agência de risco Fitch colocou a dívida da Triunfo em observação negativa, houve uma queda adicional de incríveis 10% no valor da companhia. Maneira gloriosa de celebrar a vitória.

Em teoria de leilões, essa perda é chamada de maldição do vencedor: ganhar é um sinal de que os outros avaliaram que o objeto vale pouco. Trata-se, portanto, de uma má notícia para a empresa.

Afinal, as três maiores empreiteiras brasileiras participaram do leilão e deram lances bem abaixo dos vencedores. Deve haver alguma razão para isso. O veredito do mercado é que as empresas vencedoras perderam. Mas o governo ganhou? Não necessariamente.

Essas empresas serão responsáveis por investimentos significativos na melhoria dos aeroportos. Se elas não conseguirem rentabilizar as suas operações, os investimentos sofrerão e a operação dos aeroportos ficará comprometida.

O passo seguinte é a tentativa de renegociação -ou, na linguagem um tanto eufemística da indústria, “administração de contratos”.

Nesse caso, o governo, além de não obter os investimentos, pode perder a receita da outorga. Afinal, o pagamento será feito em parcelas, durante os 20 anos de concessão.

No limite, é melhor para a concessionária devolver a outorga do que continuar jogando dinheiro fora. É preciso lembrar que um dos vencedores recentemente devolveu a outorga da rodovia Ayrton Senna.

Talvez seja fácil entender alguns lances vencedores, como o de Guarulhos. Sendo concessionária, a empresa não está sob jurisdição do Tribunal de Contas da União que, corretamente, exige a transparência necessária em investimentos públicos.

Além disso, boa parte dos recursos do consórcio vencedor vêm de entidades fortemente ligadas ao governo federal (os fundos de pensão Previ, Petrus e Funcef). Ou seja, seria uma privatização branda. Mas o dinheiro do cotista é privado.

A esta altura, não é claro se os passageiros têm muitos motivos para celebração. Mas está claro que, se fôssemos cotistas da Previ, o dia 6 de fevereiro não seria uma razão para comemoração.


VINICIUS CARRASCO, 35, e JOÃO MANOEL PINHO DE MELLO, 38, são doutores em economia pela Universidade Stanford e professores da PUC-Rio

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação