A INESGOTÁVEL RESPONSABILIDADE DA POLÍTICA

06/07/2011

 

Por Paulo Skaf*
Blog da Folha, 05//07/2011

A positiva conjuntura do Brasil, fruto da redemocratização, molda-se pelo ideário das “Diretas Já”, em 1984, da eleição do presidente Tancredo Neves, em 1985, e da promulgação da Constituição de 1988 por Dr. Ulysses Guimarães. Nesse contexto, a ascensão socioeconômica de 30 milhões de pessoas não é obra do acaso. Os programas de distribuição de renda, o aumento do salário mínimo e mais crédito para habitação e consumo pautavam aquele movimento.

Nossa redemocratização é emblemática para ilustrar o grande poder transformador da política. A partir da primazia do povo e da organização da sociedade, surgem reivindicações e se diagnosticam problemas e necessidades. Cabe aos partidos assimilar tais demandas, inseri-las no marco legal, por meio do Legislativo, e as incluir nas ações dos governos municipais, estaduais e federal. Foi assim que promovemos expressivas melhorias.

Conseguimos nos tornar uma nação majoritariamente de classe média, mas ainda temos 19 milhões de pessoas na linha da miséria.Nossa Constituição nos outorgou direitos avançadíssimos, mas precisa ser reformada em itens essenciais, como os sistemas tributário, trabalhista e previdenciário. A política nos permitiu converter ideais em práticas de governo, mas continua permeada de vícios a serem extirpados, como a corrupção.

Ou seja, a obra inerente ao progresso com liberdade e equidade socioeconômica é consistente e ampla, mas inacabada. Portanto, mais uma vez, e sempre, impõe-se o exercício da boa política. Nesse sentido, o PMDB tem imensa responsabilidade, pois é o pai de nossa jovem democracia. Não foi sem razão que, à época, lhe couberam os dois principais postos do Brasil emanado das “Diretas Já”: a Presidência da República, com Tancredo Neves, e a da Assembleia Constituinte e da Câmara dos Deputados, com Ulysses Guimarães.   

O partido continua sendo o maior do País. Além de cargos significativos, como a vice-presidência da República, com Michel Temer, a presidência do Congresso Nacional e do Senado Federal, com José Sarney, e a forte presença no ministério, o PMDB tem cinco governadores, 19 senadores, 79 deputados federais, 172 estaduais, 1.175 prefeitos, 907 vice-prefeitos e 8.495 vereadores. Sua estrutura inclui 27 diretórios estaduais, representação em todas as capitais e 4.671 diretórios municipais, com dois milhões de filiados.

Ao ingressar na legenda, duas de suas características me motivam de modo especial: a robusta base popular; e a responsabilidade quanto à origem, ao presente e ao futuro de nossa democracia. A primeira nos aproxima da sociedade e torna mais fácil a tarefa de fazê-la mais influente nos poderes constituídos. A segunda nos lembra que não podemos esmorecer no compromisso de corrigir os erros para converter nossa exemplar saga democratizante em efetivo desenvolvimento.

* Paulo Skaf é empresário e presidente da Federação e do Centro dasIndústrias do Estado de São Paulo (FIESP/CIESP).

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação