A DISPUTA PELO SENADO EM PERNAMBUCO

17/08/2010

 

Fonte: elaboração do autor com base em pesquisas do Ibope (2), Exatta (2), IMN (1), (Datafolha (2), e DiarioData (1)

Por Maurício Costa Romão

Pesquisas do DiarioData e do Datafolha divulgadas ontem, dia 16/08/2010, pelo Diário de Pernambuco e pelo NETV 2ª edição, da Rede Globo, mostram que a disputa pelo Senado em Pernambuco continua apresentando os postulantes Humberto Costa e Marco Maciel à frente em intenções de voto.

No DiarioData, Humberto Costa registrou 43% de intenção de votos, enquanto Marco Maciel obteve 34%. Armando Monteiro e Raul Jungmann aparecem em terceiro e quarto lugares, com 16% e 9%, respectivamente.

A pesquisa do DiarioData ouviu 1100 eleitores e foi realizada entre os dias 8 e 11 de agosto. A margem máxima de erro é de 3%, para mais ou para menos, o que significa que as diferenças de intenção de votos dos quatro postulantes entre si estão fora dessa margem.

Já no levantamento do Datafolha, Humberto Costa lidera com 40% de intenção de votos (tinha 42% na pesquisa anterior do mesmo instituto), Marco Maciel vem em seguida com 35% (obteve 40% no levantamento passado). Armando Monteiro e Raul Jungmann ficaram em terceiro e quarto lugares, com 25% e 9%, respectivamente, tendo ambos oscilado negativamente em comparação com a pesquisa de julho do Datafolha, na qual Armando aparecia com 29% e Raul com 12%.

 O Datafolha foram ouviu 1.094 eleitores de 38 cidades do Estado de Pernambuco, entre os dias 9 e 12 do corrente mês. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Com essa margem, Humberto e Maciel estão tecnicamente empatados, em termos de intenção de votos.

Um detalhe que chama à atenção nos levantamentos do DiarioData e do Datafolha é que os indecisos, os que disseram que não iriam votar em ninguém, ou que simplesmente afirmaram que iriam votar em branco ou anular o voto, totalizaram 94% e 80%, respectivamente.

Diferentemente de alguns institutos de pesquisa que perguntam ao entrevistado qual a sua primeira opção para o Senado e, depois de assinalada a resposta, pedem, em seguida, qual é a segunda opção, o DiarioData acolhe duas respostas numa mesma e única pergunta. Quer dizer, o pesquisado pode expressar suas duas preferências simultaneamente*.

Nas duas pesquisas, todavia, independente da técnica de obtenção de respostas, cada entrevistado pode escolher duas opções para o Senado Federal, de que resulta uma soma de percentuais globais (as intenções de voto para os candidatos, mais os percentuais de eleitores indecisos, etc.) maior que o convencional 100%.

Qualquer que seja a metodologia empregada, o fato é que há um enorme contingente de eleitores que ainda não tem candidato definido para o Senado. Isso significa que há bastante espaço para conquista de votos, o que torna prematuro qualquer prognóstico mais balizado sobre quais serão os dois ocupantes das vagas em aberto.

O horário gratuito na TV, que começa hoje, dia 17 de agosto, pode ser o principal veículo da aproximação do candidato com eleitor que, pelos percentuais de “alheamento eleitoral” mostrados nas pesquisas, parece ainda não estar totalmente conectado com a campanha em curso e vai cristalizar suas preferências mais à frente, coma a aproximação da data do pleito.

O gráfico que acompanha o texto mostra a evolução das intenções de voto para o Senado em Pernambuco, oriundas de vários institutos de pesquisa, desde a segunda quinzena de maio, até estes últimos levantamentos do DiarioData e do Datafolha.

Como os dados seqüenciais são de institutos diferentes, as eventuais variações havidas nas intenções de voto dos candidatos, de uma pesquisa para outra, podem não ter sido derivadas de mudanças nas preferências da população, e sim de modificações de metodologia ou de coleta de informações. Daí por que se desaconselha comparação de resultados entre essas pesquisas, do ponto de vista do rigor estatístico.

Ainda assim, apenas à guisa de prospectar possíveis tendências, nota-se que  independente do instituto que realizou a pesquisa, e da margem de erro adotada, um rigoroso empate técnico, em termos de intenção de votos, entre os postulantes que se alternam na liderança, Marco Maciel e Humberto Costa (exceto neste último levantamento do DiarioData). Considerando todas as oito pesquisas listadas, Humberto Costa apresentou uma média de intenção de votos de 42,5% e Marco Maciel de 40,4%.

Em síntese, analisando do ponto de vista da evolução dos percentuais de intenção de votos de maio até agora, os números mostrados indicam posição mais favorável para Marco Maciel e Humberto Costa, embora não se possa ainda considerar essas posições como consolidadas. Armando Monteiro, mais próximo dos primeiros colocados, e Raul Jungmann, têm possibilidades de crescimento.

*Na seqüência cronológica das pesquisas para o Senado Federal realizadas em Pernambuco e registradas no TRE, não se levou em conta a que foi feita pelo NEPD, da UFPE, entre os dias 28 e 30 de julho, por conta das grandes diferenças de percentuais encontradas para todos os candidatos, vis-à-vis as demais pesquisas. Os resultados foram Humberto 17,1%, Maciel 13,2%, Armando 10,7% e Raul 5,3%. Como o NEPD também acolheu duas respostas por entrevistado em uma única pergunta para o Senado, é possível que essa diferença deva-se a que o Instituto considerou que o somatório dos percentuais globais fosse o normal, o de 100%.

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação