A CRUZ E A CALDEIRINHA

18/05/2012

Fernanda Torres

Folha de S.Paulo, 11/05/2012

Somos convidados a nos engajar, mas é preciso pensar bem; o mundo não é mais tão preto no branco

Foi-se o tempo em que as causas ganhavam força graças ao apoio de artistas. A melodramática chamada da internet com atores protestando contra a usina de Belo Monte deu mais consistência aos que defendem a obra do que ao lado que a promoveu. Diariamente, somos convidados para nos engajar em lutas, mas é preciso pensar 20 vezes; o mundo não é mais tão preto no branco quanto costumava ser.

Com essa descrença, fui a um encontro com alguns representantes da cultura em torno da pré-candidatura do deputado Marcelo Freixo à Prefeitura do Rio. Fui como carioca. Tenho grande receio de impor minhas convicções a terceiros, se é que elas existem.

A próxima eleição será vencida por Eduardo Paes. Ele conta com uma coligação de 15 partidos, 14 minutos na TV, além de estar alinhado com o governador Sérgio Cabral, responsável pela vinda de José Mariano Beltrame para a Secretaria de Segurança Pública, pela abertura de diálogo com o Planalto e pelas promessas de capital.

A questão em outubro será a realização ou não de um segundo turno. O Rio é assombrado pelo populismo moreno do PDT e pela eterna política de interesses do PMDB.

O primeiro nos deixou reféns de Anthony Garotinho por quase uma década, e o segundo tem chances de se perpetuar no trono por merecimento. A política vive da dialética, o poder absoluto é perigoso até para os que o detêm. Se a alternativa para a oposição for a herança de Garotinho e Cesar Maia, melhor se atirar pela janela.

Marcelo Freixo surge como um político vocacionado, idôneo e obstinado, voltado para a recomposição do papel do Estado. Com grande experiência no confronto com as milícias, Freixo tem muito a dizer sobre a destituição do poder público, a corrupção eleitoral, a atividade mafiosa, o favorecimento de empresas privadas e os instrumentos para detê-los.

O deputado cobra um investimento mais consistente nas UPPs sociais, para barrar o avanço dos milicianos nas áreas ocupadas, e propõe uma investida contra os dois grandes braços da contravenção fluminense, plantados, segundo Freixo, nas áreas da saúde e do transporte.

Tudo conspira para inviabilizar a trajetória de quem não quer, ou não pode, contar com o caixa dois. A ilegalidade virou norma. Vê-se com naturalidade o anseio do empresariado de receber vantagens nas licitações de infraestrutura em troca do apoio financeiro de campanha. É assim. A árvore de Natal de atravessadores corrói as verbas e retribui com superfaturamento e hospitais fantasmas.

O PSOL, partido pelo qual o deputado pretende se candidatar, não fez alianças e não aceita apoio de grupos privados. A saída para enfrentar o custo exorbitante da máquina virá das redes sociais e do engajamento de pessoas físicas.

Não compactuo com o troca-troca de favores que rege a política, mas a militância imaculada, o isolamento por medo do contágio pode ser tão paralisante quanto a malversação. A exemplo de Marina, é preciso que Freixo e o PSOL encontrem fatias mais consistentes da sociedade alinhadas com a vontade de ver cumpridas as leis. Economistas, doutores, estudantes da PUC e da UFRJ.

Estive em uma reunião parecida com Sérgio Cabral, a propósito justamente da ocupação social nas áreas retomadas. A explanação de Cabral -apesar de e por causa de Paris- era dinâmica e positiva.

Freixo tem a difícil tarefa de fugir do papel de Cassandra, daquele que, em meio a tanta euforia, só fala em mazelas.

Sou a favor de um segundo turno e do surgimento de uma terceira via na Guanabara. Freixo é um deputado precioso, que pôs a vida em risco, enfrentando a truculência da polícia marrom.

Concordo que o Estado deva proteger setores estratégicos como a segurança, a saúde e a educação. A ideia da cidade como negócio, do privado ditando a agenda do público, faz circular o dinheiro, mas pode se revelar tão nociva quanto a morosidade das antigas repartições.

Mas a candidatura para um cargo administrativo como a prefeitura exige a abertura para o interesse privado. Não gosto da velha direita, mas tampouco me seduz a velha esquerda. O problema é que a política não tem centro.

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação