A CRISE E O BRASIL

15/03/2012
Tags: , , , .

Editorial da Folha de S.Paulo, 29/01/2012

Recuperação débil da economia dos EUA estreita as opções para o crescimento brasileiro, cada vez mais dependente da China

Os meios de comunicação americanos demonstraram alívio, se não alento, com a notícia de que o crescimento da economia de seu país foi mais acelerado no fim de 2011. Tendo em vista que ainda em meados do ano se temia a volta da recessão, algum otimismo é compreensível. Mas os EUA cresceram só 1,7% no ano passado. Prevê-se que, no melhor dos casos, não cresçam mais que 2% neste ano.

A maior economia do mundo cresceu menos que 1% acumulado desde o final de 2007 (houve crescimento negativo em 2008 e 2009). O rendimento médio dos trabalhadores foi reduzido outra vez, fato agravado pela tendência, de décadas, de aumento da desigualdade.

O relativo empobrecimento reflete-se na alta acanhada do consumo verificada, mesmo no remediado trimestre final de 2011, o que prejudica a retomada do investimento, também diminuta.

Não bastassem tais indicadores ainda preocupantes, o banco central dos Estados Unidos, o Fed, anunciou na quarta-feira passada que pretende manter sua política de juro zero até 2014.

É fácil deduzir, portanto, que o Fed não prevê um reaquecimento relevante da atividade produtiva nos próximos dois anos, pelo menos. Tanto que deixou aberta a possibilidade de ainda mais relaxamento monetário por meios heterodoxos. Isto é, a compra de ativos financeiros ora em poder do mercado, o que na prática injeta mais dólares na economia e se chama coloquialmente de “impressão de dinheiro”.

O Fed tem, de modo recorrente, reclamado o auxílio do governo na tarefa de estimular a economia. Os governos americanos, da esfera municipal à federal, no entanto, têm contribuído para enfraquecer a recuperação, dados os maciços cortes de gastos.

No âmbito federal, verificam-se ainda extremados conflitos entre Executivo e Congresso, além da letargia na Presidência. O tumulto político redunda em aumento de incerteza para os agentes econômicos e cria empecilhos para a implementação de qualquer programa coerente de estímulo.

Decerto a situação americana é melhor que a da zona do euro, cujo nível de produção deve voltar ao nível de 2007 apenas em 2014.

O efeito combinado dessas crises será sem dúvida relevante para o Brasil. De imediato, a longa e ainda duradoura crise euroamericana nos impõe novos problemas, para a indústria em particular, entre outras razões por favorecer a renitente valorização do real.

Além disso, a crise no mundo desenvolvido aumenta a dependência brasileira da China, que vive também um período tenso. Em suma, a longa crise estreita os caminhos possíveis do nosso crescimento.

editoriais@uol.com.br

 

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação