A CASA, A RUA E AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

01/11/2011

 

Por Adriano Oliveira

O que o eleitor deseja? Esta é a principal indagação que o estrategista deve realizar antes de definir as estratégias de um candidato a prefeito. Sem esta pergunta, o estrategista não saberá quais ações realizar para vencer a disputa eleitoral. Duas outras perguntas também precisam ser feitas: 1) Qual é o poder de influência do presidente da República nas eleições municipais? 2) Qual é o poder de influência do governador nas eleições municipais?

Administradores bem avaliados, quando utilizados adequadamente, têm condições de influenciar a escolha do eleitor. Mas, friso: o apoio do presidente da República e do governador, mesmo que eles estejam bem avaliados, não são suficientes para eleger um candidato a prefeito.

A conjuntura econômica nacional pode ser também um fator importante, em particular nas cidades da Região Metropolitana. Mas, neste caso, a economia deve estar num crescimento pujante ou estagnada para vir a provocar questionamentos do eleitor a dado candidato que venha a ser associado a fatos econômicos.

Roberto Da Matta em seu livro a Casa e a Rua mostra como o convívio entre os indivíduos nos ambientes casa e rua são diferentes. Na casa, as relações sociais são, teoricamente, cordiais. A proteção está presente. Na rua, os conflitos podem vir a existir e a proteção está presente através do Estado – caso, obviamente, este funcione adequadamente.

A partir do brilhante raciocínio de Roberto da Matta tenho a hipótese de que na disputa municipal os eleitores reconhecem a cidade como a sua casa. Deste modo, problemas do dia a dia, os quais, inclusive, estão presentes em seus lares, são debatidos na esfera pública, ou seja, na campanha eleitoral.

Eleitores arrumam os quartos da casa. Eleitores mantêm limpo o (s) banheiro da residência. Eleitores gostam da casa organizada, bem cuidada. Eleitores desejam conforto e segurança no lar. Eleitores desejam bem-estar.

Os eleitores, na disputa municipal, não vão debater com os candidatos temas que são da responsabilidade do governador ou do presidente. Eles desejam ouvir dos candidatos a prefeito propostas para temas do cotidiano, os quais estão presentes de modo semelhante em seus lares.

Organização e manutenção da cidade, limpeza urbana, trânsito, obras de infraestrutura, calçamento. Estas demandas quando atendidas pela prefeitura geram bem-estar urbano no eleitor – satisfação com a cidade. E são estes temas que terão que ser necessariamente debatidos nas eleições de 2012.

Cientista Político – http://www.leiaja.com/

Adriano Oliveira – Doutor em Ciência Política

Professor da UFPE

twitter.com/adriano_oliveir

facebook.com/adrianopolitica

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação