O SENTIMENTO DE MUDANÇA

26/02/2014

Fonte: elaboração própria, com base em dados do Datafolha

Fonte: elaboração própria, com base em dados do Datafolha

Maurício Costa Romão

As pesquisas eleitorais que se sucedem umas às outras continuam mostrando haver na população brasileira grande contingente de eleitores – nada menos que dois em cada três – querendo que as ações do próximo presidente sejam diferentes das praticadas pela atual administração.

Desta feita, são os dois últimos levantamentos nacionais dos institutos MDA e Datafolha, realizados agora em fevereiro, que corroboram a existência desse desejo do brasileiro. Isso quer dizer que as sementes de insatisfação plantadas nas manifestações de junho passado permanecem brotando urbi et orbi.

Na pesquisa do Datafolha é possível desagregar os dados por algumas características socioeconômicas, políticas e de localização geográfica, e verificar como evoluíram, de novembro para fevereiro, os percentuais de eleitores que desejam que a gestão do próximo presidente seja diferente da levada a efeito por Dilma. As duas tabelas que acompanham o texto retratam essa evolução. 

Os eleitores que mais desejam mudanças se concentram nos núcleos: masculino (pesquisa de fevereiro), naqueles compostos por jóvens, que têm curso superior, que possuem de maior renda, localizados no Sudeste, que estão em capitais de estados, que reprovam a administração Dilma e que têm maior contingente de adeptos no PSDB (pesquisa de fevereiro).

Já os eleitores que menos preferem mudanças são: do sexo feminino (pesquisa de fevereiro), de faixa etária idosa, os que têm apenas o fundamental, de baixa renda, os que se localizam no Nordeste, predominantes do interior dos estados, os que aprovam a gestão da presidente Dilma e os que admiram o PT.

Como os percentuais dos que desejam mudanças são bastante altos, acima de 50% ou mais (exceto entre os adeptos do PT e entre os que conferem avaliação positiva ao governo), isso significa que a insatisfação reinante na população, quanto ao jeito de governar da presidente, grassa generalizadamente entre os diversos estamentos sociais.

Do ponto de vista evolutivo, o sentimento de mudança se altera relativamente pouco de novembro a fevereiro. Há, contudo três destaques:

(1) o desejo de mudança decresce oito pontos entre os eleitores que ganham acima de 10 salários mínimos; (2) cresce seis pontos no Nordeste, reduto tradicional dos petistas e (3) e se concentra no PSDB, entre os partidos brasileiros, desbancando o PV.

Ao se comparar três pesquisas nacionais do MDA, Ibope e Datafolha, realizadas em fevereiro, com as últimas levadas a efeito pelos respectivos institutos em finais de 2013, observam-se dois resultados meridianamente claros: (a) invariância nas intenções de voto no cenário entre Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos e (b) constância ou tendência de queda da popularidade da presidente, medida pela soma dos conceitos ótimo e bom.

Depreende-se daí, dessa estabilidade dos números das pesquisas, que nem oposição nem situação conseguiram posicionar-se, pelo menos até agora, como representantes dos sentimentos de mudança expressos pelo eleitorado brasileiro.

Mas, se se considerar que a presidente disputa a reeleição na condição de incumbente, com todas as extraordinárias vantagens que tal exercício lhe confere, e não está conseguindo agregar mais adeptos à sua postulação, é de se imaginar que a oposição, ainda pouco conhecida, e certamente menos responsabilizada pelo que motivou a insurgência das massas, tem mais chances de capitalizar a maior parte dessa mensagem mudancista.

—————————————————————-

Maurício Costa Romão, Ph.D. em economia, é consultor da Contexto Estratégias Política e Institucional, e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau. mauricio-romao@uol.com.br

 

Nenhum Comentário
Deixe seu comentário
Sobre o autor

Maurício Costa Romão é Master e Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, sendo autor de livros e de publicações em periódicos nacionais e internacionais...

continue lendo >> Maurício Romão

Copyright © 2012 Maurício Romão. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento: 4 Comunicação